VOCÊ SABIA?

BENJAMIN FRANKLIN,

O PODER DAS PONTAS  E O PÁRA-RAIOS

O americano Benjamin Franklin foi um experimentador dos fenômenos elétricos e imaginou explicações para eles.

Em 1749 e depois, escreveu cartas a um amigo que as leu na Royal Society (uma sociedade científica) em Londres, descrevendo as suas experiências elétricas e as suas interpretações. Numa delas referiu-se ao extraordinário "poder das pontas", observado nos objetos pontiagudos eletrizados, poder esse que permitia extrair ou projetar o "fogo elétrico", nome dado à "substância” elétrica, de origem não conhecida, mas que se manifestava nos fenômenos chamados elétricos, de atração e de repulsão e que provocavam faíscas duns corpos para outros.

Franklin criou uma teoria segundo a qual o fogo elétrico existia naturalmente nos corpos e as faíscas resultavam de diferenças de quantidade de fogo elétrico entre corpos que haviam sido eletrizados. As faíscas iriam dos corpos com mais fogo para os que tinham menos fogo, até se equilibrarem.

Voltando ao poder das pontas, Franklin verificou que entre um corpo eletrizado e outro pontiagudo apenas saltava faísca quando este último estava ligado a terra, conduzindo à descarga da esfera eletrizada.

Na seqüência destes estudos, Franklin pôs a hipótese, inovadora na época, de as nuvens estarem carregadas de eletricidade, sendo os raios das trovoadas um fenômeno elétrico.
Experimentador como era, concebeu e realizou uma experiência com um dispositivo baseado nos papagaios de papel, com um fio de seda ligado ao papagaio e com uma chave na outra extremidade e ligada a terra. A aproximação duma trovoada permitiu-lhe verificar que as nuvens estavam carregadas de eletricidade, quando pôde comprovar a descarga recebida e que lhe permitiu carregar uma garrafa de Leyden.

Franklin descreveu os procedimentos para a realização duma experiência capaz de demonstrar a sua hipótese. Esta experiência foi realizada em França, em 1752. Foi montado um mastro metálico isolado da terra. Um fio de cobre foi ligado a terra e um dos experimentadores presentes (isolado do cobre com vidro) aproximou o cobre do mastro durante uma trovoada, observando faíscas a saltar entre o mastro e o cobre, o que comprovou a teoria de Franklin.

 

Esta experiência serviu também para mostrar a capacidade de proteção que este pára-raios proporciona, desde que o mastro seja ligado à terra.
A experiência teve um êxito estrondoso e foi repetida por toda a Europa, tendo provocado a morte do cientista alemão Richmann, na Rússia, por não se isolar convenientemente e ter sido atingido por um raio.

As mortes devidas aos raios eram freqüentes antes do pára-raios, nomeadamente quando se tocavam os sinos durante as trovoadas para afastar os perigos, atribuídos a causas sobrenaturais, pois os sinos metálicos atraíam os raios e fulminavam os que os tocavam. Em 1791, o Papa Pio VI mandou reconstruir uma capela destruída por um raio e ordenou a instalação de um pára-raios e de uma placa alusiva, em que este ficou designado como Vara elétrica de Franklin.

O pára-raios, pelos seus aspetos teóricos e práticos, foi à coroa de glória dum homem incansável, com uma vida cheia de participação ativa no mundo da sua época, nos mais variados domínios, tendo sido o primeiro americano reconhecido internacionalmente no domínio da Ciência.

 

Bibliografia : Benjamin Franklin (Les Cahiers de Science et Vie)